Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Sinhá Moreira: Educação para transformar uma cidade rural em um Polo de Tecnologia

Publicado: Quarta, 08 de Março de 2017, 19h41

No Dia Internacional da Mulher, artigo do NIT Mantiqueira conta a história de Luzia Rennó Moreira, mineira responsável pela construção da primeira escola técnica de eletrônica no país e uma das pioneiras no desenvolvimento do Vale da Eletrônica Brasileiro.

Na veia da vocação tecnológica da cidade mineira de Santa Rita de Sapucaí, cidade considerada como o Vale Eletrônico Brasileiro, corre o sangue de uma mulher entusiasta que, há mais de 50 anos, apostou na educação como pilar para o desenvolvimento de uma região que atualmente abriga Instituições de ensino, pesquisa e mais de 120 micros e pequenas empresas nos segmentos da eletrônica, telecomunicações e informática. Luzia Rennó Moreira ou Sinhá Moreira, como era popularmente conhecida, foi pioneira em trazer para o país uma escola técnica para suprir a então necessidade de mão de obra especializada na área de eletrônica.

Filha de aristocratas, em meados de 1900, Sinhá Moreira cresceu nas fazendas cafeeiras da família e viveu sua infância e adolescência no dia a dia da pequena cidade do interior de Minas Gerais. Adulta, casou-se com um diplomata e, por conta deste matrimônio, viajou e morou em países como México, Estados Unidos, Japão, Portugal, Bélgica, China.

Deste cenário histórico social, em que se pode idealizar uma figura feminina comum aos padrões dos anos de 1930, Sinhá Moreira se diferenciava por seu interesse e envolvimento político e social. Essa visão fez com que ela captasse de maneira muito particular a informação adquirida nos diferentes países, trazendo para o Brasil a modernização tecnológica que viu no mundo.  

Depois de anos de viagem, retornando à sua terra natal, Sinhá Moreira voltou sua vida para uma revolução na então cidade rural de Santa Rita do Sapucaí. Suas ações iam da distribuição de bolsas de estudos para crianças carentes até a idealização de uma construtora especializada em casas de alta qualidade, que puderam ser financiadas, por famílias de baixa renda, a preço de custo.  Porém, ela queria mais e sabia que a verdadeira mudança viria com o desenvolvimento industrial e educacional da região.

O futuro gira em torno da tecnologia

Acreditando na máxima acima, Sinhá moveu esforços para criar uma escola técnica, voltada à eletrônica, na sua região, uma tendência presente em países ricos e uma possibilidade para boa parte da população brasileira que, nos anos de 1950, era formada, principalmente, por pessoas que não haviam concluído o ensino médio.  Contudo, para tornar esse plano realidade, Sinhá necessitou muito mais do que financiamento público.

Na época, o Brasil ainda não tinha oficializado o ensino técnico no país e para a idealização deste sonho, Sinhá Moreira necessitou se articular politicamente para agendar uma reunião com o então presidente Juscelino Kubitschek e explicar a necessidade da autorização e reconhecimento deste tipo de ensino. Mesmo sendo militante de um partido adversário ao do então presidente - com diplomacia e compromisso com as necessidades de desenvolvimento de sua região -, Sinhá conseguiu a oficialização do ensino técnico no país e ainda deu à Santa Rita do Sapucaí a oportunidade de sediar a sétima instituição do mundo na categoria.

Sinhá Moreira doou as terras que havia herdado para a construção da escola e o governo federal financiou a construção do prédio de 22 mil metros quadrados. A obra grandiosa despontava em meio as pequenas casas da região. Depois de meses, em 1959, a Escola Técnica de Eletrônica “Francisco Moreira da Costa” foi inaugurada em Santa Rita do Sapucaí. Esta seria a primeira escola técnica de eletrônica do Brasil e da América Latina.

Na escola estavam presentes os melhores docentes. Assim, uma educação de qualidade e moderna era oferecida aos novos alunos. Além da atenção com a formação daqueles jovens, Sinhá, também, se preocupava com a contratação dos novos profissionais e para suprir esse problema, era comum vê-la com uma Kombi lotada de alunos em viagem para empresas da região. Sinhá os apresentava nas indústrias e conseguia com que vários fossem empregados.

Todas essas ações de Sinhá Moreira e de seus parceiros, colocaram a cidade de Santa Rita do Sapucaí na mídia dos anos de 1960. Era comum ver reportagens intitulando a escola como a propulsora do avanço tecnológico do país. Toda essa comunicação gerada fez com que jovens de várias regiões do Brasil procurassem a cidade para se desenvolver profissionalmente.

Sinhá faleceu, prematuramente, em 1965 sem conseguir assistir a formatura da primeira turma do colégio técnico ou de ver como o seu projeto inédito de educação conseguiu transformar a antiga cidade rural de Santa Rita do Sapucaí em um dos principais polos tecnológicos do país. Região que hoje tem como principal característica o empreendedorismo e incentivo à inovação tecnológica.

 

                                                                       Acima, imagens da construção e da inauguração da escola

Veja algumas imagens da Escola Técnica: 

O Vale da Eletrônica

A cidade da Santa Rita do Sapucaí, localizada no sudoeste do estado de Minas Gerais, é reconhecida em todo o mundo pelo desenvolvimento e produção de eletroeletrônicos que são exportados para mais de 41 países. Na região estão presentes mais de 150 empresas voltadas principalmente para os setores de Eletroeletrônico, Telecomunicações, Segurança, Eletrônica, Informática, Produtos para Radiodifusão, Automação Industrial, Predial e Comercial, Tecnologia da Informação, Eletromédico, Insumos e Prestação de Serviços.

Além da Escola Técnica de Eletrônica “Francisco Moreira da Costa” - ETE, o conhecimento dos profissionais e empresas do Polo é impulsionado por instituições da região, como o Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL (1965), o Centro de Ensino Superior em Gestão, Tecnologia e Educação – FAI (1971), e o SESI/SENAI - instituição fomentadora de educação e inovação para o setor industrial (2002 – em Santa Rita do Sapucaí). Estas instituições, aliadas aos outros pares do Polo, como o Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (Sindivel), formam o complexo do chamado Vale da Eletrônica do país.

Referências:

CARNEIRO, Carlos Romeiro. O Vale da Eletrônica. 1ªed, 2016.

FONTES, Lilian. Sinhá Moreira - uma mulher à frente de seu tempo. 1ª edição. Gryphus Editora, 2007.

Histórico do Vale da Eletrônica. Disponível em: http://www.sindvel.com.br/o-vale-da-eletronica Acesso em: 06 de março de 2017.

registrado em:
Fim do conteúdo da página