Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > Brasil perde posições em ranking de competitividade
Início do conteúdo da página

Brasil perde posições em ranking de competitividade

Publicado: Segunda, 23 de Janeiro de 2017, 16h10 | Última atualização em Terça, 14 de Fevereiro de 2017, 15h59

Na comparação com outros 17 países de economias similares, feita anualmente pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Brasil retrocedeu nos fatores: disponibilidade e custo da mão de obra; ambiente macroeconômico; competição e escala do mercado doméstico; e tecnologia e inovação.

A crise econômica diminuiu ainda mais a competitividade brasileira. Em 2016, o país retrocedeu em quatro dos nove fatores que determinam a capacidade de as empresas vencerem os concorrentes no mercado. Na comparação com outros 17 países de economias similares, feita anualmente pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Brasil retrocedeu de 2015 para 2016 nos fatores: disponibilidade e custo da mão de obra; ambiente macroeconômico; competição e escala do mercado doméstico; e tecnologia e inovação.

O ranking mostra que o Brasil caiu da nona posição em 2015 para a 11ª em 2016 no fator tecnologia e inovação, entre 16 países avaliados – uma vez que a pesquisa não obteve informações sobre o Peru e a Índia. De acordo com o levantamento, a perda de duas posições do Brasil nesse segmento é resultado “do pior desempenho do país em pesquisa e desenvolvimento (P&D) e inovação nas empresas”, devido a redução dos investimentos e perda da capacidade de inovar do setor privado.

"O setor privado no Brasil reduziu os gastos em P&D de 0,51% em 2013 para 0,42% em 2014 (ano de referência do ranking 2016)", afirma o estudo. No mesmo período, observa a CNI, Argentina, Chile e Colômbia também reduziram os gastos, enquanto que as empresas da China, Polônia, Coreia do Sul, Rússia, Turquia e Tailândia aumentaram os investimentos no setor. O primeiro lugar ficou com a Coreia do Sul e, o segundo, com a China.

No subfator Capacidade de Inovação, o país está na penúltima posição, à frente apenas do Peru. Em Gastos de P&D nas empresas, o Brasil é o nono de 16 avaliados, com investimentos que representaram 0,42% do Produto Interno Bruto (PIB). A título de comparação, na Coreia do Sul o esforço realizado pelo setor privado em P&D coloca o país em primeiro lugar no ranking, com gastos que representaram 3,36% do PIB.

Em relação à capacidade das empresas do país de inovar, o Brasil perdeu quatro posições nessa variável, ficando em 13º lugar, devido ao aumento da nota registrado pela maior parte dos países. Já em compra governamental de produtos e tecnologia avançada, ficou na 15ª posição.

Apesar do cenário, o levantamento aponta que o Brasil obteve um melhor posicionamento quando se trata dos esforços do governo no setor. No subfator Apoio governamental, ficou em 10º entre os 17 países, e na variável Despesa total com P&D, ocupou o quinto lugar do ranking. As despesas totais com P&D no Brasil (tanto público quanto privado) representaram 1,24% do PIB, enquanto que na Coreia do Sul, o primeiro do ranking, esse percentual foi de 4,29%.

Outras modalidades

De acordo com o estudo, o Brasil caiu da 5ª posição em 2015 para a 11ª colocação em 2016 no fator disponibilidade e custo da mão de obra. Isso ocorreu especialmente porque, com o aumento do desemprego, a população economicamente ativa diminuiu, pois, desanimadas com a crise, muitas pessoas desistiram de procurar emprego.

No fator ambiente macroeconômico, o Brasil recuou duas posições. Saiu da 15ª colocação em 2015 para a 17º em 2016. O Chile aparece em quarto lugar e é o país latino-americano que tem o melhor ambiente macroeconômico.

O Brasil também perdeu duas posições no fator competição e escala do mercado doméstico. Caiu da 10ª posição em 2015 para a 12º em 2016. O primeiro lugar deste ranking ficou com a China, seguida da Espanha. Conforme o estudo, o recuo do Brasil no fator é resultado do encolhimento do mercado doméstico, porque, com a crise econômica, o consumo diminuiu.

O ranking mostra a posição do Brasil em relação a: África do Sul, Argentina, Austrália, Canadá, Chile, China, Colômbia, Coreia do Sul, Espanha, Índia, Indonésia, México, Peru, Polônia, Rússia, Tailândia e Turquia. Os países são avaliados em nove fatores e 20 subfatores que afetam a eficiência e o desempenho das empresas na conquista de mercados. O Brasil se mantém em penúltimo lugar desde 2012, quando o ranking geral da competitividade começou a ser feito.

Para mais informações, acesse a pesquisa completa aqui.

(Agência Gestão CT&I/ABIPTI, com informações da CNI)

Leia matéria na íntegra em: http://www.agenciacti.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=10120:brasil-retrocede-em-tecnologia-e-inovacao-devido-a-reducao-de-pad&catid=3:newsflash

 

registrado em:
Assunto(s): Ranking , CNI , Inovação
Fim do conteúdo da página